João Simoes Lopes Neto
 
 
 

Em 1896, surge o jornal “A Opinião Pública” e nele também luzia a pena admirável de João Simões Lopes Neto. Neste ano, em junho, morria o seu pai por quem nutria grande afeto e reconhecida admiração. Promovido o respectivo inventário, Simões foi aquinhoado com uma quantia razoável que poderia muito bem acomodar-lhe a vida, embora não representasse uma fortuna. Adquiriu uma casa na rua Sete de Abril, desfazendo-se, em seguida, de outra que possuía na rua Paisandu. Subscreveu ações do Diário Popular, passando a acionista do mesmo. Dispondo de recursos, juntamente com seu cunhado José Gomes Mendes, inaugura o Café Cruzeiro, varejo e atacado, visando à comercialização de café em grão. A sociedade, como tantas outras, não daria certo; sucumbiu diante da concorrência voraz. Entre sonhos e devaneios, Simões, inclusive, andou projetando uma expedição exploratória a Santa Catarina, em busca da prata que existiria na localidade de Taió. De concreto, apenas sua eleição para o Conselho Municipal.

Pertenceu e foi Presidente do Clube Ciclista de Pelotas e um dos fundadores da Sociedade Agrícola Pastoril, criada em 1898. Em 10 de setembro de 1899, foi fundada em Pelotas a União Gaúcha, que teve como primeiro presidente um tio do escritor; Simões somente ingressaria na nova entidade em 1901 e a presidiria em 1905. No raiar do novo século, cria a Fábrica de Fumos e Cigarros marca DIABO. O empreendimento, se bem que mais duradouro, trouxe-lhe também muitos dissabores. Paralelamente, concebia uma fórmula de fungicida e inseticida, com aproveitamento de resíduos do próprio tabaco, a que deu o nome de “Tabacina”, específico para a cura de plantas e animais. Tanto prestígio adquiriu a fórmula que veio a merecer, além de prêmios, um artigo de página inteira na conceituada Revista Agrícola de Rio Grande do Sul, assinado pelo não menos renomado professor Manoel Serafim Gomes de Freitas. O professor, mais tarde, viria a ser colega de Simões na diretoria da Biblioteca Pública Pelotense e seu confrade na Academia de Letras do Rio Grande do Sul.

 
1 | 2 | 3 | 4 | 5